O circo borboleta

https://www.deficienteciente.com.br/o-circo-da-borboleta.html

Oi pessoal! Essa semana, tivemos várias despedidas dos nossos professores, já que não teremos mais aula com eles ano que vem. Cada um achou um jeitinho especial de se despedir e gostei muito de todos, mas vim aqui falar sobre o que o Márcio, nosso professor de Matemática, fez.

Ele passou o curta O circo borboleta, que trata sobre um homem que nasceu sem os braços e as pernas e trabalhava em um circo para as pessoas rirem da condição dele, até que um homem, diretor de outro circo (o circo borboleta), decide tentar ajudá-lo a sair dessa situação!

O filme dura apenas 20 minutos, então dá para ver rapidinho e vale muito a pena! Segue abaixo o curta completo:

Além disso, acho importante destacar que o ator principal é um palestrante motivacional australiano, chamado Nick Vujicic. Ele tem ótimos discursos e livros sobre sua vida e suas conquistas e é realmente uma pessoa que merece muita admiração!

https://believersportal.com/biography-nick-vujicic/

Anúncios

Brasil Para Todos

O “Guia Brasil Para Todos”, escrito conjuntamente por Andrea Schwarz e Jaques Haber, é um roteiro turístico do Brasil para quem possui algum tipo de deficiência. Baseando-se nas pesquisas sobre os avanços da acessibilidade e da infraestrutura da rede turística, o casal construiu um guia com as 10 capitais brasileiras, 139 passeios acessíveis, 106 restaurantes e 92 hotéis adaptados. Já disponibilizado em versão digital, o roteiro indica diversas atrações acessíveis dentro da cidade de São Paulo, entre elas:

Jardim Botânico: No ano em que comemora 80 anos de existência, o Jardim Botânico acaba de inaugurar a remodelação de sua entrada principal, a Alameda Fernando Costa, que recebeu um deck de madeira reflorestada e a regeneração do córrego Pirarungáua, agora exposto a céu aberto. No roteiro de visitação, em trilha de 800 metros de extensão e alguns pequenos aclives resultantes de sua topografia, os visitantes conhecem o Jardim dos Sentidos, uma atração adaptada que oferece experiência sensorial em um espaço com plantas e flores. Seguindo adiante, conhece-se a Trilha da Nascente do Riacho do Ipiranga. Aberta em 2006, e feita de madeira, facilita o acesso de cadeirantes. O parque disponibiliza visitas monitoradas (agendadas) e um carrinho elétrico para pessoas com dificuldade de locomoção. 

Estufas-JardimBotânicoDeSãoPaulo.jpg

Mercado Municipal: Os quase 13 mil metros quadrados do Mercado Municipal por vezes ficam pequenos para o movimento diário de 14 mil pessoas. Enquanto muita gente vai até lá para passear e degustar o famoso pastel de bacalhau e o generoso sanduíche de mortadela (300g em pão francês), a maioria dos que circulam está ali trabalhando desde muito cedo para oferecer produtos de qualidade a clientes sempre muito exigentes. Não é difícil encontrar grandes chefs da cidade escolhendo pessoalmente ingredientes para suas criações culinárias. O Mercadão oferece acessibilidade ao visitante em cadeira de rodas por meio de rampas e elevadores. A proximidade com a estação Luz do metrô facilita a vida do visitante. 28-Mercado-Municipal_Foto_JoseCordeiro_0011-3.jpgMuseu da Língua Portuguesa: Inaugurado em 2006, o Museu da Língua Portuguesa inovou na forma de apresentar sua exposições ao público. Utilizando criatividade, tecnologia e interatividade com o público, oferece navegação em telas que mostram a origem da língua, sua evolução, as diversas formas de utilização no cotidiano e o seu emprego na literatura. Para o público com deficiência, o prédio oferece acessibilidade em todos os andares, sinalização com piso podotátil e monitores. Estudantes com carteirinha pagam meia-entrada. Professores da rede pública (com holerite e identidade), crianças até 10 anos e adultos a partir de 60 anos não pagam. Aos sábados, a visitação é gratuita. Banheiros adaptados.museu_da_lingua_portuguesa_gov_sao_paulo-1.jpgMuseu de Arte de São Paulo (MASP): O MASP e um dos mais conhecidos cartões postais da cidade de São Paulo. Palco de grandes exposições e manifestações culturais, este espaço, fundado por Assis Chateaubriand, Pietro Maria Bardi e Lina Bo Bardi, tem em seu acervo obras dos mais renomados artistas da Brasil e Europa, entre os quais estão Volpi, Lasar Segal, Manabu Mabe, Henri Matisse, Claude Monet, Pablo Picasso, Sandro Boticelli e Rembrandt. Para visitar suas diversas salas, pessoas com deficiência tem acesso através de elevadores e rampas.10-18-sao-paulo_av-paulista_voce-viajando.jpgParque do Ibirapuera: O Ibirapuera é o maior e mais frequentado parque de São Paulo. Em seus quase 2 milhões de metros quadrados, cobertos em sua maioria por área verde, recebe cerca de 20 mil pessoas todos os dias. Em domingos ensolarados, o público chega a 130 mil. Toda essa gente vem ao parque em busca de espaço para a prática esportiva, lazer com as crianças e visitas aos seus vários museus. Localizado em área plana, facilita a circulação de cadeirantes.As vias internas são asfaltadas e não há calçadas. O parque infantil está localizado em local gramado. Nas trilhas internas, o terreno é acidentado. Existem amplos espaços para piquenique e local para aluguel de bicicleta (algumas com lugares para duas ou mais pessoas). O projeto arquitetônico das edificações do parque é assinado por Oscar Niemeyer: o Pavilhão Principal, a OCA (espaço para exposições), o Auditório Ibirapuera e o Museu de Arte Moderna (MAM). Banheiros públicos adaptados, com barras de apoio.Ibirapuera-iStock.jpgTeatro Municipal: Construído pelo arquiteto brasileiro Ramos de Azevedo e os italianos Cláudio Rossi e Domiziano Rossi, o Teatro Municipal mantém o glamour dos velhos tempos. Prestes a completar 100 anos, sua arquitetura imponente e bom gosto das peças decorativas, no interior das salas, chamam a atenção de todos. Pessoas com deficiência física têm lugares reservados na plateia e é possível fazer visitas monitoradas. Teatro_Municipal_de_São_Paulo_8.jpg– Lorena

Be my eyes

Oi gente! Vim aqui falar sobre o aplicativo Be my eyes. Através dele, você consegue ajudar pessoas com deficiência visual em tarefas do dia a dia. Você pode se cadastrar no idioma de sua preferência, o qual será necessário para que você converse com a pessoa que precisa de sua ajuda. O aplicativo te envia uma notificação, quando alguém cego pede ajuda, e basta clicar nela que o app abre e te coloca em uma videoconferência com quem você está prestes a ajudar.

Resultado de imagem para be my eyeshttp://www.5kmiles.com.br/single-post/2017/06/12/be-my-eyes-seja-os-olhos-de-alguem

 Uma vez que muitas pessoas se inscreveram no Be my eyes, é  raro ser chamad@ para ajudar. Porém, eu tive a sorte de ser. Na minha experiência, uma mulher me pediu ajuda para ler o preço de uma etiqueta em uma loja, 39,99 reais. Eu simplesmente abri a notificação, cumprimentei a moça e li o número para ela, mas eu fiquei muito feliz  e entusiasmada com isso. Uma amiga minha, que também foi chamada, precisou indicar a posição da escova de dente para uma outra mulher.

 Portanto, acho que a ideia desse aplicativo é muito interessante e o recomendo a quem tenha vontade de ajudar outras pessoas.

Resultado de imagem para be my eyeshttp://www.ilounge.com/index.php/apps/entry/apps-be-my-eyes-macid-multifly-goodreader-4.8-google-chrome-40-more

Giovana

Ensaio sobre a cegueira

O romance Ensaio Sobre a Cegueira, escrito por José Saramago, em 1995, trata de uma epidemia de cegueira que atinge, subitamente, uma cidade. Isso provoca um caos, uma vez que a cegueira era contagiosa e, por isso, decide-se isolar aqueles que a contraíram para que sobrevivam à própria sorte. É interessante ressaltar que as personagens do livro não recebem nomes, mas são identificadas através de características.

Ainda não tive a oportunidade de ler tal obra, mas estou muito curiosa e já a coloquei na minha lista para o mês de dezembro! Porém, mesmo assim, já lhes recomendo a leitura, uma vez que todos que a leram elogiaram-na e, claro, foi escrita pelo único escritor da língua portuguesa a ganhar um prêmio Nobel de literatura.

Segue aqui um comentário de Saramago sobre a obra: “Este é um livro francamente terrível com o qual eu quero que o leitor sofra tanto como eu sofri ao escrevê-lo. É um livro brutal e violento e é simultaneamente uma das experiências mais dolorosas da minha vida. São 300 páginas de constante aflição. Através da escrita, tentei dizer que não somos bons e que é necessário termos coragem para o reconhecer”.

http://www.vogaisecompanhia.pt/ensaio-sobre-a-cegueira/

Além disso, foi feito um filme baseado no enredo de Ensaio Sobre a Cegueira, dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles e com um ótimo elenco: Julianne Moore, Mark Ruffalo, Alice Braga, entre outros.

Tampouco assiti ao filme, pois quero ler a obra primeiro, mas acredito que valha a pena! Segue abaixo o trailer:

III Semana de Inclusão da Pessoa com Deficiência

 Oi, pessoal! No período de 18 a 21 de setembro, a universidade PUC-SP realizará em todos seus campus de São Paulo e Sorocaba a III Semana de Inclusão da Pessoa com Deficiência!


Imagens: http://www.pucsp.br/evento/ii-semana-da-inclusao-de-pessoas-com-deficiencia

 Esse evento busca marcar a relevância do Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência (21/09) e conta com diversas atividades culturais, desde rodas de conversa até musicais inclusivos!

 Infelizmente, não conseguirei participar do evento por conta da rotina escolar, mas achei a proposta muito interessante e quis compartilhar com vocês!

Até mais!

 Giovana

Museu do Ipiranga para todos

Oi, gente!! Com uma parceria com o Memorial da Inclusão, o Museu do Ipiranga está com uma mostra temporária com o acervo acessível utilizado em ações educativas! Como tal museu está em reforma, a exposição está no Memorial da Inclusão.

Imagem: http://www.mp.usp.br/eventos/exposicao-museu-do-ipiranga-para-todos

Convite acessível “Museu do Ipiranga para todos”: https://m.youtube.com/watch?v=_bTLAWLmSxU

Em cartaz: 03/08 a 30/09, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h e aos sábados das 13h às 17h, exceto feriados

Local: Memorial da Inclusão (Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564, Portão 10, Barra Funda, São Paulo/SP)

Não tive a oportunidade de visitar a exposição ainda, mas me parece muito interessante e gostaria de ir! Espero que vocês também fiquem motivados!

Até a próxima!

 Giovana

“Extraordinário” – o filme

 Oi pessoal! Não sei se vocês estão lembrados, mas, nesse mês de julho, fiz um post sobre o livro Extraordinário, de R. J. Palacio. Então, como eu disse, o livro é muito bom e super recomendo a leitura! Como prova da qualidade do livro, temos o fato de que esse ano, em novembro, será lançado seu filme (dirigido e escrito por Stephen Chbosky)!! Segue abaixo o trailer do filme pra incentivá-los a assistir ao longa e a ler a obra!

 

Dica: peça de teatro acessível

Oi pessoal! Para quem mora em São Paulo e gosta de ir ao teatro, está em cartaz uma peça acessível! O que isso quer dizer? Quer dizer que a peça tem audiodescrição em todas as sessões e visita tátil no palco antes de começar. Ainda não fui assisti-la, mas achei a ideia muito interessante e, principalmente para as crianças, é um programa divertido!

A peça, dirigida por Carolina Moreyra, leva o nome A Princesinha Medrosa, baseada no livro de Odilon Moraes. O enredo trata sobre uma princesa usando sua autoridade para lidar com seus medos de escuro e da solidão sem perceber que, na verdade, tem medo do próprio medo.

Foto: Felipe S Cohen

Data: aos domingos de 23 de julho a 17 de setembro

Horário: 14h (visita tátil no palco 13:45)

Local: Sesc Santana (Av. Luiz Dumont Villares, 579)

Preço: gratuito para crianças até 12 anos; meia = R$17,00; inteira = R$5,00

 

 

 

Documentário “Som dos Sinos”

Na última quinta-feira, 10 de agosto, em nossa escola, tivemos a oportunidade de assistir ao documentário Som dos Sinos, dirigido e produzido por Márcia Mansur e Marina Thomé, com direito a uma conversa com elas após a sessão!

O longa-metragem trata da cultura por trás do badalar dos sinos das igrejas em nove cidades históricas de Minas Gerais: Mariana, São João Del-Rei, Ouro Preto, Catas Altas, Congonhas, Diamantina, Sabará, Serro e Tiradentes. Recentemente, esses toques dos sinos foram tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como patrimônios históricos, o que incentivou a dupla a realizar o documentário. Além de abordar os diversos sons representativos de acontecimentos como partos, mortes, missas, incêndios e horários sacros, o filme também contém entrevistas com moradores da cidade e, principalmente, com sineiros, aqueles que trabalham badalando os sinos. Não obstante, há cenas em que são apresentados costumes religiosos e festas locais!

Link da imagem

Apesar de, a princípio, tratar de um tema tão distante de nossa realidade sobre o qual não sabíamos praticamente nada, o documentário conseguiu cativar nossa atenção ao mostrar uma cultura típica do nosso país. É importante ressaltar que a imagem do longa-metragem era de alta qualidade, com ângulos de filmagem extremamente peculiares que realmente dão um toque especial!

Através da conversa com as produtoras do Som dos Sinos e da visualização deste, conseguimos perceber que nosso mini documentário pode ter um formato menos rígido e, ainda assim, transmitir a mensagem que desejamos. Também tivemos algumas ideias quanto aos ângulos de filmagem, sons de fundo e diversidade das entrevistas, as quais esperamos conseguir aplicar! Além disso, foi muito incentivador saber que uma produção desta magnitude foi filmada por uma equipe de apenas três integrantes, com uma quantidade de equipamentos reduzida para caber nas torres dos sinos!

Dessa forma, recomendamos o documentário Som dos Sinos, não só pelo seu conteúdo, mas também por sua produção! Para instigar o interesse de vocês nesse filme, segue abaixo o link de seu site e seu trailer:

Site Som dos Sinos

“Extraordinário” – R. J. Palacio

 Por uma coincidência inexplicável, no meu último aniversário, ganhei, de uma amiga minha que ainda não sabia sobre nosso projeto do Móbile na Metrópole, o livro Extraordinário, o qual conta a história de um menino com deficiência durante seu primeiro ano em uma escola.

 Demorei um pouco para conseguir tempo e começar a ler o livro, mas, assim que comecei, percebi que sua leitura é bem fácil e intrigante, o que fez com que eu o terminasse com rapidez.

 Achei muito interessante a forma como a narrativa é contada, uma vez que, a princípio, temos um narrador protagonista, porém ele deixa de cumprir este papel em determinadas partes da história, em que outros personagens passas a narrá-la de acordo com suas visões pessoais. Por meio desse recurso, R. J. Palacio, autora da obra, permite que os leitores vejam a realidade individual não só de August Pullman, o protagonista, mas também de seus amigos ou familiares, sendo que cada um lida de um jeito diferente com a síndrome do garoto.

 Para explicar um pouco mais o enredo, nada melhor do que o resumo presente na orelha do próprio livro, no meu caso, da editora Intrínseca: “August (Auggie) Pullman nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade… até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.”

Além de ser uma ótima leitura, Extraordinário permite que nos aproximemos um pouco da realidade vivida por Auggie e, ao mesmo tempo, perguntemos a nós mesmos com qual personagem nos parecemos mais, isto é, como reagiríamos diante de um menino como ele e, feito isso, podemos pensar se gostamos ou não de nos parecer com tal personagem e, consequentemente, se devemos mudar nossa atitude ou não. Por isso, recomendo fortemente este livro e espero que vocês gostem!

Aqui segue uma foto que tirei da edição que tenho do livro:

Giovana