A audição de cegos

É fato comprovado. Cegos de nascença têm audição mais apurada (link da pesquisa). A confirmação foi feita por cientistas do Centro de Pesquisas em Neuropsicologia e Cognição da Universidade de Montreal. O estudo foi, inclusive, divulgado na revista Nature. Segundo o psicólogo Pascal Belin, autor principal do estudo, as pessoas cegas julgam melhor a direção da mudança de altura no som, mesmo quando a velocidade de variação é dez vezes maior do que a captada pelos indivíduos que enxergam. Mas isso só ocorre se elas nasceram ou se tornaram cegas com menos de dois anos de idade.

É o caso de Stevie Wonder que, devido ao nascimento prematuro, desenvolveu retinopatia da prematuridade, doença caracterizada pelo crescimento desorganizado dos vasos sanguíneos que suprem a retina (camada mais interna do globo dos olhos) do bebê. Esses vasos podem sangrar e, em casos mais sérios, a retina pode descolar e ocasionar a perda da visão da criança, como na situação do cantor.

Outro cantor cego, mas que somente se tornou cego aos sete anos de idade, segundo as biografias, é o Ray Charles. Ele afirmava não saber a real causa de sua cegueira, mas exitem fontes que sugerem um quadro de glaucoma. Apesar de Ray Charles não se enquadrar no estudo da Universidade de Montreal, pois se tornou cego após os dois anos de idade, a sua audição, sem dúvida, era muito mais apurada do que o normal. Basta conferir no filme Ray, de 2004, protagonizado por Jamie Foxx. Ou então ouvir algumas de suas músicas. Abaixo minhas preferidas:

 

– João Pedro

Anúncios

O medo do desconhecido

Durante o ano, nas aulas de História, nossa professora, a Teresa, relacionou diversos fatos que aprendemos ao medo do deconhecido presente na sociedade contemporânea.

Vivemos em um mundo individualista, baseado, muitas vezes, em relações utilitárias, nas quais o importante é o benefício que alguém pode te trazer. Nesse contexto, caminhamos pelas ruas com fones de ouvidos, dirigimos carros individuais e estamos pouco abertos ao outro. É claro que, ainda mais em uma cidade como São Paulo, não devemos confiar em todo mundo, pois, infelizmente, há insegurança.

http://www.frasesparaoface.com/substitua-o-medo-do-desconhecido/

Porém, isso não nos dá motivo para chegarmos ao extremo que atingimos, no qual evitamos, cotidianamente, até mesmo um bom dia ou um olhar simpático na rua. Numa sociedade assim, você já parou para pensar como as pessoas com deficiência visual lidam com esse medo do desconhecido?

Pela nossa experiência adquirida durante o trabalho nesse blog, percebemos que é comum que pessoas cegas precisem de ajuda para, por exemplo, atravessar a rua, uma vez que a cidade de São Paulo ainda deixa muito a desejar em termos de acessibilidade. Nessa situação, os cegos confiam sua segurança na pessoa que lhes ajuda e precisam ter auto confiança suficiente para conseguir aceitar ajuda de um estranho, o que não deve ser fácil.

http://distantedodesistir.blogspot.com.br/2014/08/conhecer-o-desconhecido.html?m=1

Sabendo disso, percebemos que é fácil reclamar que a cidade precisa ser mais acessível. Porém, todos nós precisamos ser mais inclusivos. Com as pessoas com deficiência, claro, mas também com qualquer um. Precisamos deixar de lado o medo do desconhecido, sem comprometer nossa segurança, se quisermos viver em uma sociedade inclusiva. Caso contrário, podemos simplesmente viver isoladamente, sem consideração alguma pelo outro, destino que, se continuarmos assim, atingiremos logo logo.

https://kdfrases.com/frase/127845